O QUE É ACUPUNTURA

A Acupuntura é uma terapêutica milenar que utiliza agulhas, moxas e outros instrumentos para liberar substâncias químicas no organismo com efeito analgésico e/ou anti-inflamatório e assim, aliviar dor e outros sintomas decorrentes de determinadas doenças.

A Acupuntura é uma terapêutica milenar que utiliza agulhas, moxas e outros instrumentos para liberar substâncias químicas no organismo com efeito analgésico e/ou anti-inflamatório e assim, aliviar dor e outros sintomas decorrentes de determinadas doenças.

A denominação Acupuntura é atribuída a um jesuíta europeu no século XVII que adaptou os termos chineses Zhen Jiu, juntando as palavras latinas Acum (que significa agulha) e Punctum (picada ou punção). A tradução literal, no entanto, é bem diferente. O correto seria Zhen (agulha) e Jiu (moxa). A moxa ou mogusa (termo de origem japonesa) é confeccionada com as folhas secas da planta Artemisia sinensis, usada na moxibustão, ou seja, queima de pequenas porções desse vegetal associada ao tratamento com as agulhas.

APRESENTACAO DA ACUPUNTURA

A acupuntura é um método terapêutico antigo, utilizado há aproximadamente 5000 anos no oriente. Foi criada na China, sendo mais tarde incorporada ao arsenal terapêutico da medicina em outros países orientais como o Japão, Coréia e Vietnã.

Achados arqueológicos da Dinastia Shang (1.766 – 1123 AC) incluíam até agulhas de acupuntura e carapaças de tartarugas e ossos, nos quais estavam gravadas discussões sobre patologia médica.  Mas o primeiro texto médico conhecido e ainda utilizado pela Medicina Tradicional Chinesa é o Tratado de Medicina Interna do Imperador Amarelo (Nei Jing Su Wen), escrito na forma de diálogo entre o lendário Imperador Amarelo (Hwang-Ti) e seu ministro, Qi Bha, sobre os assuntos da medicina, segundo alguns autores durante a Dinastia Chou (1122 – 256 AC).  Outros textos clássicos surgiram posteriormente, entre eles a Discussão das Doenças Causadas pelo Frio, O Clássico sobre o Pulso, O Clássico das Dificuldades (Nan Ching) e o Clássico sobre Sistematização da Acupuntura e Moxa.

A palavra acupuntura origina-se do latim, sendo que acus significa agulha e punctura significa puncionar. A acupuntura se refere, portanto, à inserção de agulhas através da pele nos tecidos subjacentes em diferentes profundidades e em pontos estratégicos do corpo para produzir o efeito terapêutico desejado.  Mas, na verdade, acupuntura é uma tradução incompleta da palavra chinesa Jin Huo (ou Tsen Tsio) que significa metal e fogo.

Para tornar uma longa história curta: os pontos de acupuntura distribuídos pelo corpo podem ser puncionados com agulhas ou aquecidos com o calor produzido pela queima da erva Artemisia vulgaris, (mais conhecida como moxa ou moxabustão).  Podem ainda ser estimulados por ventosas, pressão, estímulos elétricos e, mais recentemente, lasers.  Acupuntura e moxabustão fazem parte da chamada Medicina Tradicional Chinesa que inclui ainda uma fitoterapia bastante sofisticada.

Os chineses, ao longo destes milhares de anos, descreveram cerca de 1.000 pontos de acupuntura, dos quais 365 foram classificados em catorze grupos principais. Todos os pontos que pertencem a um dos grupos são ligados por uma linha imaginária na superfície do corpo denominada meridiano.  Os doze meridianos principais controlam o pulmão, o intestino grosso, o estômago, o baço, o coração, o intestino delgado, a bexiga, o rim, o pericárdio, o “triplo-aquecedor”, a vesícula e o fígado.  Existem também dois meridianos localizados no centro do corpo, um que passa pela frente e outro pelas costas.

Todos os pontos de acupuntura ao longo destes meridianos afetam o órgão mencionado, mas não necessariamente da mesma maneira.   Para os chineses tradicionais, nosso organismo é formado de matéria e energia e é justamente a parte energética, a força vital ou Chi que circularia nestes meridianos e todas as doenças seriam consequentes a um distúrbio da circulação do Chi. Embora este conceito tenha norteado a prática da acupuntura ao longo destes milhares de anos é um pouco metafísico demais para ser compreendido e aceito pelo mundo científico atual.

Evidências científicas acumulam-se acerca da eficácia da acupuntura, e a intimidade de seu mecanismo de ação está sendo pesquisada em muitos centros médicos do mundo, incluindo Escolas Médicas e Hospitais Universitários na China e no nosso próprio país.  No Brasil, a acupuntura foi recentemente considerada uma especialidade médica pelo conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB), tendo sido realizado, em outubro de 1999, o primeiro concurso para o Título de Especialista em Acupuntura, no qual mais de 800 médicos foram aprovados.

No Ocidente, a acupuntura ganhou credibilidade principalmente por seu efeito no alívio da dor, seja ela de várias origens.  Esta é uma das razões para a ênfase atual da pesquisa no estudo dos mecanismos analgésicos da acupuntura.  O foco de atenção tem sido o papel dos opióides endógenos neste mecanismo.  Ao longo de sua evolução, o cérebro desenvolveu sistemas complexos de modulação (aumentar ou diminuir) da percepção da dor.

Em especial o sistema opióide (semelhante à morfina) e o sistema não opióide de analgesia (os neurotransmissores) suprimem a percepção da dor, enquanto que o sistema antiopióide (por ex., colecistoquinina) trabalha contra a analgesia opióide. Opióides são liberados durante acupuntura e a administração prévia de naloxona (droga bloqueadora que reverte os efeitos da heroína, morfina e de outras drogas semelhantes) anula o efeito da acupuntura; porém se a acupuntura for realizada previamente à administração de naloxona não há bloqueio do seu efeito.  Além disto observou-se aumento da concentração de endorfinas e também de serotonina no líquido cefaloraquidiano de doentes submetidos à acupuntura.

Mas a acupuntura não causa apenas um efeito analgésico, ela provoca múltiplas respostas biológicas. Estudos em animais e humanos mostram que o estímulo por acupuntura pode ativar o hipotálamo e a glândula pituitária, resultando num amplo espectro de efeitos sistêmicos, aumento na taxa de secreção de neurotransmissores e neurohormônios, melhora do fluxo sanguíneo, e também a estimulação da função imunológica são alguns dos efeitos já demonstrados.

A Organização Mundial da Saúde lista mais de 40 doenças para as quais a acupuntura é indicada.  Para os chineses tradicionais existem cerca de 300 doenças tratáveis por acupuntura, entre elas, sinusite, rinite, resfriado, faringite, amigdalite aguda, zumbido, dor no peito, palpitações, enfisema, bronquite crônica, asma brônquica, alterações menstruais, cólica menstrual, lombalgia durante a gravidez, ansiedade, depressão, insônia, mal-estar provocado pela quimioterapia, dores associadas com câncer, tendinites, fibromialgia, dores pós-cirúrgicas, síndrome complexa de dor regional, dermatites, gastrite, úlcera gástrica, úlcera duodenal, colites, diarreia, constipação, cefaleias, enxaqueca, paralisia facial, sequelas de acidente vascular cerebral, lombalgia, ciatalgia, artrose, artrite, entre tantas outras.

A pesquisa em acupuntura é importante não apenas para elucidar os fenômenos associados ao seu mecanismo de ação, mas também pelo potencial para explorar novos caminhos na fisiologia humana ainda não examinados de maneira sistemática.

EXISTE PESQUISA A RESPEITO DA ACUPUNTURA

Com a integração da Acupuntura (Medicina Chinesa) à Medicina Ocidental, foram instalados muitos centros de pesquisas de Acupuntura ligados às Faculdades de Medicina da China, onde os cientistas buscam e analisam, de acordo com os critérios da medicina atual, as explicações sobre diversos aspectos da Acupuntura:

  • O que são os pontos de acupuntura?
  • O que são os meridianos?
  • Como a acupuntura funciona?
  • Quais são as doenças tratáveis pela acupuntura?
  • Quais são os benefícios da associação de remédios com a acupuntura?
  • A acupuntura pode funcionar como anestesia?
  • É feita a avaliação do melhor método de terapia e é calculada a porcentagem de sucesso do tratamento para cada patologia?

Dessa maneira, a acupuntura, na China, tornou-se mais científica e a China é centro de referência dessa terapia.

E A ACUPUNTURA NO BRASIL?

Sendo o Brasil um país de imigração, foram trazidas do exterior para cá, também, diversas técnicas de Acupuntura: chinesas, japonesas, alemãs, francesas, vietnamitas etc.

Provavelmente, a técnica japonesa é a mais antiga no Brasil, embora a linha chinesa tenha mais divulgação e difusão entre os médicos.

COMO A FILOSOFIA INFLUENCIA A MEDICIAN CHINESA?

A Acupuntura surgiu há mais ou menos 5 mil anos, e os pensamentos filosóficos há cerca de 3 mil anos. Os conhecimentos filosóficos formaram a linguagem médica da época, com a finalidade de explicar os fenômenos das doenças, sua evolução e tratamento, baseados no conhecimento médico primitivo.

Atualmente, ainda persiste uma ligação entre essa linguagem e os conhecimentos médicos, porém, ao associar-se a Acupuntura aos conhecimentos médicos modernos, muitos conceitos foram eliminados, tais como a ideia de que o ponto de acupuntura é o lugar que tem muito Qi (energia), ou de que a noite é Yin, de maneira que não se pode comer verdura à noite, porque verduras também são Yin, e Yin com Yin pode causar dor. Um outro exemplo vem do fato de a cor verde representar falta de sangue, e alguns acupunturistas interpretam a cor verde na palma da mão como se fosse o indício de enfarte do coração.

A ACUPUNTURA PODE CURAR TUDO?

É importante ressaltar que a Acupuntura é uma terapia de ampla atuação, podendo melhorar ou curar inúmeras doenças. Se as doenças forem recentes, sem lesão físicas, elas têm mais chances de serem curadas pela acupuntura. Por exemplo: doenças psicossomáticas, estresse, depressão leve, dor muscular.

Quanto às doenças mais graves e crônicas, a acupuntura melhora seus sintomas e a qualidade de vida do paciente. Por exemplo: artrite, bronquite, sequelas de derrame cerebral.

O PACIENTE TRATADO COM ACUPUNTURA NÃO PODE TOMAR REMÉDIO (S)?

Tudo depende da situação e da causa da doença. Em caso de dor aguda, por exemplo, o medicamento analgésico pode ser usado como complemento.

E existem certos medicamentos antidepressivos que podem aumentar os efeitos da Acupuntura, porque prolongam a ação da serotonina e de outros neurotransmissores, que atuam no sistema supressor de dor no cérebro e aumentam os efeitos analgésicos.

Outro exemplo: o paciente asmático e com infecção bacteriana deve tomar antibiótico.

COMO É FEITO O DIAGNOSTICO?

Na Medicina Chinesa, o procedimento do diagnóstico é como o de uma consulta médica da medicina convencional, acrescido de perguntas voltadas para a Medicina Chinesa. Da consulta constam a anamnese, o exame dos pulsos e do aspecto da língua (tendo os dois últimos valores relativo, dependendo da patologia, e podendo ser dispensados) e coleta de dados complementares, tais como exames laboratoriais, radiografias, exames de imagem etc.

COMO É O PROCEDIMENTO NO TRATAMENTO?

Baseando-se no diagnóstico, realiza-se o tratamento. Normalmente, escolhe-se de um a doze pontos, de dois a quatro meridianos. De acordo com os princípios da Medicina Chinesa, as aplicações proporcionam o equilíbrio harmônico de energia e sangue entre os meridianos e os órgãos correspondentes.

Segundo as explanações da Medicina Moderna, o estímulo feito pelas agulhas nos locais em que existam terminais nervosos gera impulsos elétricos que ativam a liberação de substâncias neurotransmissoras do Sistema Nervoso Central, modulando as funções físicas e psíquicas.

QUAL É A FREQUÊNCIA E QUAL É DURAÇÃO DO TRATAMENTO?

Em geral, no tratamento total, são feitas de cinco a quinze aplicações, com uma ou duas sessões semanais. Em casos mais agudos, na fase inicial do tratamento, podem fazer-se três aplicações semanais. Após esse período, as aplicações podem, então, espaçar-se. A frequência e a duração do tratamento dependerão do tipo de patologia, do tempo de instalação da doença, da reação do paciente e, principalmente, da escolha dos pontos feita pelo médico, que, por sua vez, baseia-se em sua escola de origem.

A PARTIR DE QUANDO A ACUPUNTURA COMEÇA A FAZER EFEITO?

Esta é uma pergunta comum feita pelos pacientes, principalmente aqueles ansiosos, sem paciência, que optaram pela Acupuntura como último recurso e que querem sarar logo. Geralmente, a partir de duas a cinco aplicações, os efeitos começam a surgir.

Sendo a Acupuntura uma terapia natural, a melhora do paciente depende fundamentalmente:

  • Do tipo de patologia e do grau de lesão: por exemplo, a dor muscular é aliviada mais rapidamente, mas a dor causada pela artrose da coluna vertebral é mais demorada;
  • Da história da patologia: a bronquite com febre é mais difícil de se aliviar do que a bronquite sem febre e sem secreção;
  • Da reação do paciente: alguns pacientes reagem bem ao tratamento logo na primeira aplicação; esses costumam sentir sonolência após cada sessão. Em geral, depois de duas a cinco sessões, o tratamento surte efeito;
  • Da colaboração do paciente: aquele que não obedece à freqüência de aplicação, não se cuida, faz esforço ou carrega peso excessivo, não sabe descansar adequadamente, pode atrasar a melhora ou a cura;
  • Da metodologia do tratamento: é lógico que, quando o médico é mais experiente e com boa formação, as chances de melhora rápida são maiores. Em situação de não melhora, o médico acupunturista geralmente espera mais ou menos três sessões para reavaliar o paciente e julgar a necessidade de troca do esquema de tratamento.

A idade não interfere no tratamento pela Acupuntura, apenas requer uma adequação das técnicas. Por exemplo: em crianças pequenas, as agulhas são inseridas e retiradas rapidamente, ou pode utilizar-se o raio-laser, embora este seja de pouca eficácia. Em geral, os idosos são acometidos de doenças crônicas, apesar de que têm bons resultados, mas necessitam de tratamento de manutenção.

A ACUPUNTURA TEM AÇÃO NO RELAXAMENTO MUSCULAR?

Sim. Os efeitos da acupuntura são analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes dos músculos e calmantes; por isso, é indicada para o tratamento de dor musculoesquelética com espasmo muscular. E seu efeito calmante desempenha um papel importante em interrupção de círculo vicioso de dor-espasmo-inflamação-ansiedade.

O QUE SÃO NEUROTRANSMISSORES?

Neurotransmissoras são substâncias produzidas pelas células nervosas, por meio das quais elas podem receber e enviar informações de umas às outras. Por exemplo, o estímulo das agulhas nos terminais nervosos faz com que a primeira célula nervosa libere neurotransmissores que vão atingir a segunda célula nervosa, e assim por diante. Essas substâncias atuam no encéfalo, na medula espinal e nos nervos periféricos. Exemplos dessas substâncias são: encefalina, serotonina, nordrenalina, somatostatina, endorfina, dopamina etc.

A diminuição dessas substâncias pode provocar alteração do sistema supressor da dor, causando enxaqueca, depressão, ansiedade, fibromialgia, dor crônica etc.

O QUE É DOR?

A dor é definida pela Associação Internacional para o Estudo da Dor como “uma experiência sensorial e emocional desagradável, que é associada a lesões reais ou potenciais ou descrita em termos de tais lesões teciduais”. Em termos biológicos, a dor é um mecanismo de defesa importante porque alerta o indivíduo de que alguma lesão está ocorrendo. Entretanto, em algumas situações especiais, a dor pode ocorrer mesmo na ausência de agressão.
A dor é sempre subjetiva e cada pessoa aprende a utilizar essa palavra por meio de suas experiências pessoais relacionadas à lesão em seu organismo no início de sua vida (Merskey et alii, 1986).

POR QUE SENTIMOS DOR?

Toda vez que há um estímulo doloroso, este é transformado em potenciais elétricos por receptores especiais (nociceptores), que são enviados pelas células nervosas (neurônios) até o sistema central. No sistema nervoso central, essa mensagem é decodificada e interpretada como dor.
Portanto, trauma, inflamação (artrite), contratura muscular, irritação por tumor ou lesão de um nervo podem transformar-se em estímulo doloroso.

COMO A ACUPUNTURA PODE INTERFERIR NOS MESCANISMOS DA DOR?

Para entender como a Acupuntura pode interferir nos mecanismos da dor, precisamos conhecer, antes, a maneira como o corpo normalmente modula a dor.

Sabe-se que a injeção de morfina ou a estimulação elétrica em determinadas áreas do cérebro de animais produzem analgesia (ausência de dor). Em 1975, um grupo de pesquisadores identificou alguns peptídeos, com funções semelhantes à morfina, produzidos no encéfalo, aos quais deram o nome de “encefalina”. Posteriormente outras foram descobertas, as quais receberam o nome de “substâncias neurotransmissoras”. Portanto, o sistema nervoso central produz substâncias neurotransmissoras que modulam (ou diminuem) a dor.

O que a Acupuntura faz é estimular o nosso sistema nervoso central para liberar essas substâncias que têm a função supressora da dor. Pesquisas mostram que o melhor estímulo para a liberação de encefalina é a estimulação dolorosa bem discriminada e de baixa freqüência, similar à que é gerada durante a Acupuntura.

QUAIS SÃO AS SUBSTANCIAS NEUROTRANSMISSORAS MAIS CONHECIDAS?

São peptídeos opióides endógenos, endorfinas, encefalinas, dinorfinas, noradrenalina,serotonina, acetilcolina, GABA, glicina, dopamina, substância P, somatostatina, colecistoquinina e outras.

COMO FUNCIONA O EFEITO ANALGESICO DA ACUPUNTURA?

Podemos explicar esse efeito da seguinte maneira:

  • Aumenta a ação do Sistema Supressor de Dor. Em alguma parte do encéfalo e do hipotálamo existem complexos nervosos reguladores das sensações de dor (SSD), os quais, uma vez estimulados pelas agulhas nos terminais nervosos (“pontos”), geram um impulso que aumenta a liberação de neurotransmissores no complexo supressor de dor, ou seja, é produzido o efeito analgésico em nível cerebral;
  • Atuam na liberação dos neurotransmissores “encefalina” e “dinorfina”, que bloqueiam a transmissão de dor da medula espinal para o cérebro;
  • Nas células brancas do local inflamado, a acupuntura provoca maior concentração de endorfina, e esta atua como analgésico local.

Dependendo da técnica utilizada, podem estimular-se as três vias, de maneira isolada ou em conjunto, o que explicaria os diferentes efeitos produzidos pelas diversas técnicas de Acupuntura. Por isso, é importante a escolha da técnica adequada pelo médico acupuntor.

COMO É PRODUZIDO O EFEITO ANTI-INFLAMATORIO?

Pela estimulação da Acupuntura, há liberação de endorfina e ACTH no hipotálamo; esta, por sua vez, ativa a liberação de cortisol (que é
uma cortisona natural) da glândula suprarrenal, o qual possui efeito anti-inflamatório.

A ação da Acupuntura no local da dor aumenta a vasodilatação, que remove substâncias tóxicas. Também há um aumento da liberação de
“Inter leucina” dos linfócitos, aumento de células brancas que desempenham papel anti-inflamatório, entre outros.

Concluímos que, teoricamente, todas as doenças que originam a dor e a inflamação, principalmente nas áreas da neurologia, ortopedia e reumatologia, podem ser tratadas pela Acupuntura.

É claro que, dependendo da gravidade de cada doença, faz-se necessário o uso de outras
terapias.

Num levantamento feito entre os 46 pacientes tratados pela Acupuntura, no ambulatório de Acupuntura do Centro de Dor do HC-FMUSP, os quais já foram
submetidos a outras terapias (tais como remédios, psicoterapia, e fisioterapia, mas sem sucesso), constataram-se, em média, 70 % de melhora da dor, do aspecto geral, da insônia e do humor.

QUAL O MECANISMO DE AÇÃO DA ACUPUNTURA NO RELAXAMENTO MENTAL?

A Acupuntura produz relaxamento mental por meio da estimulação do Sistema Límbico, responsável pelo controle das emoções. Em animais agitados e deprimidos, a quantidade de cortisol está diminuída.

Pela Acupuntura, o aumento de cortisol associado à estimulação do Sistema Límbico pode tratar distúrbios psíquicos, tais como ansiedade, depressão, insônia, síndrome do pânico etc., além de manifestações físicas, tais como palpitação, distensão abdominal, gastrite etc.

COMO A ACUPUNTURA AGE NAS DOENÇAS RESPIRATORIAS?

A Acupuntura pode agir de várias formas:

  • Pelo sistema nervoso, a Acupuntura pode estimular o efeito bronco dilatador imediatamente;
  • Pelo aumento da cortisona, diminuem-se a secreção e a inflamação dos brônquios;
  • Pelo aumento da endorfina, que pode estimular o sistema imunológico, diminuindo a frequência de infecção e crise alérgica;
  • Acalmando a ansiedade, que é um fator que contribui para diminuir a crise de falta de ar.
  • A Acupuntura tem melhor efeito na asma e na bronquite. No enfisema, há necessidade de manutenção com remédio.

A ACUPUNTURA TEM EFEITO EM DOENÇAS GASTRO-INTESTINAIS?

Podemos afirmar que, segundo muitas pesquisas recentes, a Acupuntura pode regular, ou melhor, restabelecer o equilíbrio homeostático por meio do Sistema Nervoso Autônomo.
A Acupuntura reduz a secreção de ácido gástrico. Em animais de laboratório demonstrou-se que a Acupuntura previne a formação de úlceras e acelera a sua cicatrização. Certamente, em humanos, os resultados são semelhantes.
Como vimos anteriormente, a Acupuntura possui efeitos analgésico e anti-inflamatório, além de acalmar a mente. O distúrbio mental é uma das causas mais importantes da gastrite e da úlcera na sociedade moderna. Portanto, é eficaz no tratamento de doenças psicossomáticas: colite, gastrite, úlcera, diarreia, obstipação etc.

POR QUE ALGUNS PACIENTES RECEBEM “ACUPUNTURA DE MANUTENÇÃO” EM VEZ DE RECEBER ALTA?

Essa é uma pergunta que muitas pessoas nos fazem. Levando-se em consideração a complexidade e a evolução das doenças, bem como suas múltiplas causas, conclui-se que deve ser realizada uma avaliação caso a caso.

Citaremos alguns exemplos:

·        Dores por artrose na coluna cervical e lombar: existem muitas causas que provocam dores na coluna vertebral e cada caso requer uma abordagem específica. Um dos casos mais comuns está relacionado com a artrose na coluna vertebral. Em geral, num processo de artrose, ocorre inflamação da cartilagem, esclerose subcontral, endurecimento do ligamento que envolve a articulação e enfraquecimento muscular. Quando a dor e a inflamação são aliviadas pela Acupuntura, o paciente aumenta naturalmente suas atividades e esforços, muitas vezes ultrapassando o limite fisicamente permitido, e a dor volta a aparecer, o que requer a Acupuntura de manutenção. Com exercícios musculares orientados e cuidados físicos, tais como evitar pegar peso e não fazer esforços exagerados, esses pacientes poderão não sentir mais dor, e serão considerados curados;

·        Dor: alguns pacientes que apresentam dor não podem tomar analgésicos, porque são alérgicos à medicação ou porque eles provocam retenção de líquidos, gastrite ou úlcera. Para esses, sim, a manutenção é obrigatória;

·        Insuficiência de neurotransmissores: em alguns pacientes, o aumento de neurotransmissores não é suficiente para que o sistema de supressão da dor funcione plenamente, o que ocasiona dores leves e intermitentes, recomendando-se, então, a manutenção.

Existem diversas causas que levam à necessidade de manutenção da Acupuntura. Aliás, os tratamentos de manutenção são muito comuns na medicina, em casos de diabetes, bronquite, pressão alta, doenças de coração, terapia psicológica, e a Acupuntura tem a vantagem de não produzir efeitos colaterais, mesmo em tratamento prolongado.

A ACUPUNTURA PROVOCA DEPENDÊNCIA FÍSICA?

O paciente precisa compreender que a continuidade do tratamento pela Acupuntura, uma vez por semana ou a cada 15 dias, mantém normal o nível de neurotransmissor no cérebro. Assim, o paciente poderá sentir-se melhor física e psicologicamente. Isso não é dependência física, é como comida, uma necessidade fisiológica. Portanto, o tratamento de manutenção não significa dependência física.

QUE DIFERENÇA HÁ EM SE FAZER ACUPUNTURA EM DIAS ALTERNADOS OU EM DIAS SEGUIDOS?

Cada sessão de Acupuntura deve ser feita com intervalo de 1 a 3 dias; em dias alternados é o ideal. Em casos de emergência ou dificuldade de horários, pode-se fazer em dias seguidos. Os resultados são sentidos após duas ou três sessões.

O PACIENTE SENTE DOR AO SER FEITA A APLICAÇÃO COM AS AGULHAS?

Como já foi dito, as agulhas são muito finas e sua ponta arredondada, por isso não machucam a pele como as agulhas de injeção, cuja ponta é mais grossa e cortante.

Os locais dos pontos onde estão os terminais nervosos são um pouco mais sensíveis que os demais; portanto, ao serem aplicadas as agulhas, pode-se sentir dor muito leve ou pequena sensação de peso, ou, raramente, choque.
Às vezes, a agulha atinge o pequeno ramo nervoso que causa a dor, mas é raro isso acontecer.

  • Do tipo de patologia e do grau de lesão: por
    exemplo, a dor muscular é aliviada mais rapidamente, mas a dor causada
    pela artrose da coluna vertebral é mais demorada;
  • Da história da patologia: a bronquite com
    febre é mais difícil de se aliviar do que a bronquite sem febre e sem
    secreção;
  • Da reação do paciente: alguns pacientes reagem
    bem ao tratamento logo na primeira aplicação; esses costumam sentir
    sonolência após cada sessão. Em geral, depois de duas a cinco sessões, o
    tratamento surte efeito;
  • Da colaboração do paciente: aquele que não
    obedece à frequência de aplicação, não se cuida, faz esforço ou carrega
    peso excessivo, não sabe descansar adequadamente, pode atrasar a melhora
    ou a cura;
  • Da metodologia do tratamento: é lógico que, quando o médico é mais experiente e com boa formação, as chances de melhora rápida são maiores. Em situação de não melhora, o médico
    acupunturista geralmente espera mais ou menos três sessões para reavaliar
    o paciente e julgar a necessidade de troca do esquema de tratamento.